sábado, 27 de julho de 2013

PROFESSORES VAMOS ACORDAR!!!

PROFESSORES VAMOS ACORDAR!!! REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DOS ESTADOS E CAPITAIS BRASILEIRAS - UM ROMBO SEM PARALELO NA HISTÓRIA DO BRASIL E TALVEZ NA HISTÓRIA DO MUNDO - CONFIRA O DÉFICIT DE SUA CAPITAL E DO SEU ESTADO – O ROMBO ATINGE MAIS DE R$ 1,5 TRILHÃO DE REAIS – EQUIVALE A 1/3 DO PIB DO BRASIL NO ANO DE 2012 - MUITO DESVIADO PELA CORRUPÇÃO - DIANTE DISSO O ASSALTO AO BANCO CENTRAL É BRINCADEIRA DE CRIANÇA! Só resta a quase esperança - UMA VELA PARA A MORTE DOS RPPS DO BRASIL Foto: Google Tanto o arrigo 40 da Constituição da Federal, como o artigo 1º da Lei Federal nº 9717/98 impõem que o regime próprio de previdência social - RPPS - ao qual só podem ser filiados servidores públicos, sejam municipais, sejam estaduais, sejam federais, devem ter equilíbrio financeiro e equilíbrio atuarial. O equilíbrio financeiro é ter saldo para cobrir as obrigações de um ano, de um exercício. O equilíbrio atuarial é ter saldo a longo prazo suficiente para cobrir todas as despesas previdenciárias com a concessão de benefícios a todos os filiados até o último deles se aposentar. A MAIORIA ABSOLUTA DOS 27 REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RPPS) DOS ESTADOS E OS 26 RPPS DAS CAPITAIS BRASILEIRAS NÃO TÊM EQUILÍBRIO ATUARIAL E MUITOS ESTÃO À BEIRA DE NÃO TEREM EQUILÍBRIO FINANCEIRO, ISTO É, NÃO TER SALDO NAS CONTAS, NEM PARA PAGAMENTO DOS DESPESAS DO ANO DE 2013 OU MESMO DO ANO DE 2014. O TOTAL DO ROMBO NOS 27 ESTADOS E 26 CAPITAIS BRASILEIRAS É DE R$ 1.528.582.507.419,79 (um trilhão, quinhentos e vinte e oito bilhões, quinhentos e oitenta e dois milhões, quinhentos e sete mil, quatrocentos e dezenove reais e setenta e nova centavos). Tendo como fonte informações enviadas pelos Estados e Capitais brasileiros no site do Ministério da Previdência Social: http://www1.previdencia.gov.br/sps/app/draa/draa_default.asp ABAIXO CONFIRA A SITUAÇÃO LAMENTÁVEL E DESASTROSA DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA DOS 27 ESTADOS DA FEDERAÇÃO: TABELA ATUARIAL DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS) DOS ESTADOS BRASILEIROS MÊS DE JULHO DE 2013 ROMBO SUPERIOR A R$ 1,4 TRILHÃO ESTADO SUPERAVIT(+) / (-) DÉFICIT ACRE - 7.389.956.783,76 ALAGOAS -38.510.600.482,21 AMAZONAS -56.955.766.085,10 AMAPÁ -2.734.946.744,09 BAHIA -108.911.041.440,06 CEARA - 45.202.847.555,06 DISTRITO FEDERAL -218.567.979.255,85 ESPIRITO SANTO + 533.594.273,17 GOIAS - 42.426.402.918,40 MARANHÃO -17.157.519.130,7 MINAS GERAIS + 53.142,42 (Dados incompletos no Sistema) MATO GROSSO DO SUL -50.740.199.816,84 MATO GROSSO + 1.128.429.278,05 PARÁ -86.176.491.336,62 PARAÍBA 0 (Dados incompletos no Sistema) PERNAMBUCO - 37.355.680.399,73 PIAUI -65.439.438.780,41 PARANÁ - 3.442.130.614,04 RONDONIA -37.653.558.004,36 RIO DE JANEIRO - 36.376.908.956,09 RIO GRANDE DO NORTE -103.287.039.655,42 RORAIMA -6.123.931.696,62 RIO GRANDE DO SUL - 211.382.295.869,25 SANTA CATARINA -172.206.545.412,43 SERGIPE -55.643.332.522,67 SÃO PAULO 0,00 (Dados incompletos no Sistema) TOCANTINS -11.395.735.761,78 TOTAL DÉFICIT -1.413.418.272.527,85 FONTE ACESSADA EM 22/07/2013: www.mps.gov.br DIREÇÃO DA PESQUISA: Dr. Valdecy Alves PESQUISADORA: Dra. Ilíada Karnak ANÁLISE PRELIMINAR: Dra. Mara Paula ANÁLISE PRELIMINAR: Dr. Fridtjof Alves Todos os direitos reservados Necessário lembrar que direito previdenciário está ligado ao direito à vida. Tem o mesmo objetivo do salário: GARANTIR O DIREITO À VIDA. Mas fica claro que o direito à benefício previdenciário é menos protegido no Brasil que o direito ao salário, embora os mesmos tenham igual objetivo. UM PARADOXO! É fonte do mínimo existencial, não apenas necessário ao direito de sobrevivência do servidor, mas também de sua família inteira. E FAMÍLIA, SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO, MERECE PROTEÇÃO ESPECIAL DO PODER PÚBLICO. Lembrando que pensão, salário família, auxílio doença e outros sustentam menores. Prioridade constitucional. Que, no caso de aposentadoria, a maioria dos aposentados são idosos, também prioridade constitucional. ENTÃO ALGUMA COISA ESTÁ ERRADA COM UMA POLÍTICA PREVIDENCIÁRIA, CUJOS DESTINATÁRIOS, A FAMÍLIA, O MENOR, O IDOSO... DEVERIAM SER PRIORIDADE E ACABAM SENDO PRIORIDADE NENHUMA! SEUS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA ESTÃO EM SITUAÇÃO DEPLORÁVEL, ESTÃO NOS ESTERTORES, NA UTI, O QUE RESULTARÁ NUMA VERDADEIRA TRAGÉDIA SOCIAL A CURTO PRAZO. Quando se tornarem inviáveis de forma irreversível, já que nada ou muito pouco está sendo feito. Quando essa verdadeira bomba social explodir, COM CERTEZA, O BRASIL OCUPARÁ PÁGINAS DE GRANDES JORNAIS DO MUNDO. E nos jornais brasileiros, muitos gestores e governantes irão ter suas fotos estampadas nas páginas policiais, pois serão culpados pela negligência, pela incompetência e a maioria, POR CORRUPÇÃO! Não haverá inocentes! Em meio a tudo isso, quando o Ministério da Previdência não foi conivente, no mínimo, foi omisso! Enquanto isso as vítimas serão milhões:OS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS, ESTADUAIS E FEDERAIS com suas respectivas famílias. ABAIXO CONFIRA A SITUAÇÃO LAMENTÁVEL E DESASTROSA DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA DAS 26 CAPITAIS DE ESTADOS BRASILEIROS: TABELA ATUARIAL DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - (RPPS) DAS CAPITAIS BRASILEIRAS - JULHO/2013 ROMBO SUPERIOR A R$ 115 BILHÕES CAPITAL SUPERAVIT/ DÉFICIT ARACAJU -5.865.818.326,46 BELÉM -3.146.726.490,22 BELO HORIZONTE -261.220.536,65 BOA VISTA - 33.901.123,82 CAMPO GRANDE - 1.920.722.743,98 CUIABÁ -4.103.283.311,05 CURITIBA - 8.088.792.309,19 FLORIANÓPOLIS -8.053.327.380,58 FORTALEZA - 5.857.378.357,73 GOIÂNIA + 50.832.816,14 JOÃO PESSOA -5.300.671.803,76 MACAPÁ -3.845.981.291,37 MACEIÓ -10.300.882.910,44 MANAUS -3.063.978.546,73 NATAL -7.581.819.402,17 PALMAS -1.319.902.761,45 PORTO ALEGRE -27.320.922.650,66 PORTO VELHO* -4.826.379.476,97 RECIFE -12.803.504.491,48 RIO BRANCO -230.396.419,25 RIO DE JANEIRO - 650.030.208,91 SALVADOR - 5.664.573.569,15 SÃO LUÍS - 9.320.731.428,67 SÃO PAULO - 0,00 (Dados incompletos no Sistema) TERESINA - 2.002.525.965,83 VITÓRIA -3.791.293.008,72 TOTAL -115.164.234.891,94 FONTE ACESSADA EM 22/07/2013: www.mps.gov.br DIREÇÃO DA PESQUISA: Dr. Valdecy Alves PESQUISADORA: Dra. Ilíada Karnak ANÁLISE PRELIMINAR: Dra. Mara Paula ANÁLISE PRELIMINAR: Dr. Fridtjof Alves Todos os direitos reservados ALGUNS CASOS ESCABROSOS QUE MERECEM DESTAQUE E URGENTE INVESTIGAÇÃO, SOBRETUDO POR PARTE DO MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: I- Estados e Capitais que estão com informações zeradas, nem com déficit, nem com superávit, o que é um absurdo, não verdadeiro! Não estão informando como deveriam, gravemente omitindo dados essenciais; II- Na maioria dos Estados e Capitais, o rombo do déficit é maior, diminuiu um pouco porque se compensou com algum superávit de estados e capitais que fizeram segregação de massas e o servidor sequer sabe que isso foi feito ou o que é isso. Falta transparência dos entes públicos ao adotar medidas saneadoras; IV- Chama atenção o fato de entre todas as capitais brasileiras só uma tem superávit e muito baixo, insuficiente para bancar o RPPS; V- Dos 27 Estados brasileiros, apenas 03 têm superávit e mesmo assim baixos, dois deles com dados incompletos. Mesmo o Mato Grosso, com aparente boa situação, merece ser visto com ressalvas; VI- Chama atenção alguns Estados e Capitais, em que a alíquota paga pelo servidor ativo, o inativo e os pensionistas (pobres coitados) já ultrapassa os 13%. Os servidores pagando o rombo que nunca causaram a saber: Goiás (13,25%), Pernambuco (13,50%), Rio Grande do Sul (13,25%), Sergipe (13%). Restando claro que a situação dos RPPS nos Estados é bem pior que nas capitais e que em Pernambuco o servidor paga a maior alíquota previdenciária do Brasil. Medalha de ouro para Pernambuco na olimpíada da desgraça previdenciária; VII- São Paulo e Minas Gerais merecem fiscalização especial e que seja divulgado para conhecimento dos servidores filiados e do Brasil; VIII- Muitos dos RPPS estão com baixíssimo saldo em conta para fazer frente ao pagamento de benefícios previdenciários concedidos e aos que estão em fase de análise para concessão. Tais RPPS têm que ser fiscalizados prioritariamente pelo Ministério da Previdência Social e denunciados pelas entidades sindicais aos demais órgãos de fiscalização externa; IX- Muitos Estados já fizeram segregação de massas, dividindo os servidores em dois grupos diferentes. O segundo grupo, em alguns casos, já estão deficitários. A segregação que veio para solucionar já padece da mesma doença, em virtude, sobretudo da apropriação indébita previdenciária e do não repasse das contribuições dos servidores e do ente público; X- É necessário fornecer Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP) só a Estados e Municípios que tenham equilíbrio Financeiro e Equilíbrio Atuarial em seus regimes de previdência, ou a Lei e a Constituição não passarão de mera intenção. No comércio quem atrasa uma prestação de alguns reais, num banco, que atrasa a mensalidade de um empréstimo de algumas dezenas de reais, tem o seu nome negativado em tudo que é cadastro (SPC, SERASA, etc). QUEM DESVIA DINHEIRO DE PREVIDÊNCIA, MILHÕES, BILHÕES... MAUS GESTORES E ATÉ CORRUPTOS, recebem a CRP, um prêmio aos maus governantes, uma facada no coração dos RPPS, uma traição aos princípios da boa Administração contidos no artigo 37 da Constituição. CONCLUSÃO: PRINCIPAIS CAUSAS DO ROMBO: Falta de compromisso, incompetência de gestão, sobretudo corrupção. FISCALIZAÇÃO: insuficiente, quase inexistente, quadro que precisa mudar; CORRUPÇÃO: generalizada. Não basta sanear os RPPS falidos, necessário responsabilizar os corruptos, que brincam com a previdência, direito humano fundamental garantidor do direito à vida FALTA DE TRANSPARÊNCIA: sobretudo a nível local para o servidor, para o Poder legislativo e para os próprios tribunais de contas. CRIME: Não basta apenas sanear os RPPS falidos, mas responsabilizar os que causaram sua falência;FALTA DE GESTÃO DEMOCRÁTICA: Não há o menor respeito ao direito dos servidores filiados ao RPPS participarem, seja do Conselho Administrativo, seja do Conselho Fiscal do RPPS. Muitos Estados e Municípios sabotam tal direito. Outros dão espaço mas elegem os conselheiros que bem querem, pouquíssimos entes respeitam o direito democrático de participação e mesmo assim, os conselheiros eleitos pelos sindicatos são minoria, votos vencidos; O MOVIMENTO SINDICAL:Ainda não acordou para gravidade do fato, nem compreendeu ainda o tamanho da tragédia social que se aproxima. Precisa descer da arquibancada, entrar em campo e reverter todo esse processo desastroso. O SERVIDOR PÚBLICO filiado a RPPS, seja de Estado, seja de Município, precisa despertar também e ir à luta, antes que seja tarde, antes que fique engolindo apenas a poeira do que se foi! O MOMENTO É DE REMEDIAR EM ESTADOS E CAPITAIS, POIS A HORA DA PREVENÇÃO JÁ PASSOU! MAS ACORDAR, POIS ANTES TARDE DO QUE NUNCA! A LUTA CHAMA! ENTÃO, AO CAMPO DE BATALHA DA LUTA SOCIAL, SOBRETUDO SERVIDORES VITIMADOS E MOVIMENTO SINDICAL DO SETOR PÚBLICO! FONTE: http://valdecyalves.blogspot.com.br/p/videos.html

TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS NA INFÂNCIA

TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS NA INFÂNCIA Transtornos da aprendizagem, das habilidades motoras e da comunicação (linguagem) Os transtornos da aprendizagem referem-se a dificuldades na leitura, na capacidade matemática ou nas habilidades de escrita, medidas por testes padrões que estão substancialmente abaixo do esperado, considerando-se a idade da criança, seu quociente de inteligência (QI ) e grau de escolaridade. No transtorno das habilidades motoras, o desempenho em atividades diárias que exigem coordenação motora está abaixo do esperado para a idade, como por exemplo atraso para sentar, engatinhar, caminhar, deixar cair coisas, fraco desempenho nos esportes ou caligrafia insatisfatória. Muitas vezes essa criança é vista como desajeitada, tropeçando com freqüência ou inábil para abotoar suas roupas ou amarrar os cadarços do sapato. Nos transtornos da comunicação a perturbação pode manifestar-se por sintomas que incluem um vocabulário limitado, erros grosseiros na conjugação de verbos, dificuldade para evocar palavras ou produzir frases condizentes com sua idade cronológica. Os problemas de linguagem também podem ser causados por perturbações na capacidade de articular sons ou palavras. Não é raro a presença de mais de um desses transtornos de aprendizagem em uma mesma criança, muitas vezes estando associados com o transtorno de hiperatividade e déficit de atenção. O tratamento das dificuldades de aprendizagem inclui muitas vezes reforço escolar, tratamento psicopedagógico ou até mesmo encaminhamentos para escolas especiais, dependendo da gravidade do problema. A baixa auto-estima, a repetência escolar e o abandono da escola são complicações comuns nesses transtornos. Assim, a abordagem psicopedagógica e o aconselhamento escolar são cruciais. Pode estar indicada também tanto a psicoterapia individual quanto a de grupo ou familiar, conforme a situação. O tratamento com medicação está indicado apenas em casos comprovadamente associados a transtornos que exijam o uso de remédios, como o TDAH e quadros graves de depressão e fobia escolar. Transtorno do déficit de atenção-hiperatividade As crianças com esse transtorno são consideradas, com freqüência, crianças com um temperamento difícil. Elas prestam atenção a vários estímulos, não conseguindo se concentrar em uma tarefa única e, assim, cometendo erros muitas vezes grosseiros. É comum terem dificuldade para manter a atenção, mesmo em atividades lúdicas e com freqüência parecem não escutar quando chamadas. Muitas vezes não conseguem terminar seus deveres escolares, tarefas domésticas ou deveres profissionais. Têm dificuldade para organizar tarefas, evitando, antipatizando ou relutando em envolver-se em tarefas que exijam esforço mental constante. Costumam perder facilmente objetos de uso pessoal. Esquecem facilmente atividades diárias. A hiperatividade aparece como uma inquietação, manifesta por agitação de mãos ou pés e não conseguir permanecer parado na cadeira. São crianças que quase sempre saem de seus lugares em momentos não apropriados, correm em demasia, têm dificuldade de permanecer em silêncio, estando freqüentemente "a mil". Outra característica desse transtorno é a impulsividade, que aparece em respostas precipitadas mesmo antes de as perguntas terem sido completadas. Com freqüência, são crianças que têm dificuldade de aguardar sua vez, interrompendo ou intrometendo-se em assuntos alheios. O transtorno deve ser diagnosticado e tratado ainda na infância para não causar maiores prejuízos ao desenvolvimento interpessoal e escolar da criança. O tratamento inclui psicoterapia individual e, às vezes, terapia familiar. Quase sempre faz-se necessário o uso de medicação com um resultado muito satisfatório. Transtornos do Comportamento Disruptivo Os transtornos da infância diretamente relacionados com o comportamento são os transtornos de oposição e desafio e o transtorno de conduta. São caracterizados por um padrão repetitivo e persistente de comportamento agressivo, desafiador, indo contra as regras de convivência social. Tal comportamento deve ser suficientemente grave, sendo diferente de travessuras infantis ou rebeldia "normal" da adolescência. O Transtorno de oposição e desafio (TOD) tem maior incidência na faixa etária dos 4 aos 12 anos e atinge mais meninos que meninas. Tem como característica um comportamento opositor às normas, discute com adultos, perde o controle, fica aborrecido facilmente e aborrece aos outros. No Transtorno de Conduta, que é mais comum entre adolescentes do que crianças e é mais comum também entre meninos, o padrão disfuncional de comportamento é mais grave que no Transtorno de oposição e desafio. Eles freqüentemente agridem pessoas e animais, envolvem-se em brigas, em destruição de propriedade alheia, furtos ou ainda agressão sexual. Sérias violações de regras, como fugir de casa, não comparecimento sistemático à aula e enfrentamento desafiador e hostil com os pais também são sinais da doença. Esse transtorno está freqüentemente associado à ambientes psicossociais adversos, tais como: instabilidade familiar, abuso físico ou sexual, violência familiar, alcoolismo e sinais de severa perturbação dos pais. A comorbidade desses transtornos com o abuso de substâncias e TDAH chega a quase 50%. O tratamento dos transtornos de oposição e de conduta envolve principalmente psicoterapia individual e familiar, e às vezes reclusão em unidades corretivas. O tratamento das comorbidades é fundamental e pode necessitar de medicação (nos casos de TDAH) ou até internação (em quadros graves de dependência química). Transtornos Depressivos na Infância O reconhecimento de transtornos depressivos na infância ocorreu no final da década de 60. Surgiram então três conceitos: - sintomas depressivos análogos aos dos adultos não existem; - a depressão manifesta-se por sintomas específicos nessa faixa etária; - a sintomatologia depressiva surge mascarada por outros sintomas ou síndromes, tais como hiperatividade, enurese, encoprese, déficit de aprendizagem e transtorno de conduta. Transtornos depressivos ocorrem tanto em meninos quanto em meninas. Os sintomas de depressão podem ser : isolamento, calma excessiva, agitação, condutas auto e hetero-agressivas, intensa busca afetiva, alternando atitudes prestativas com recusas de relacionamento. A socialização está geralmente perturbada: pode haver recusa em brincar com outras crianças e dificuldade para aquisição de habilidades. As queixas somáticas são freqüentes: dificuldade do sono (despertar noturno, sonolência diurna), alteração do padrão alimentar. Queixas de falta de ar, dores de cabeça e no estômago, problemas intestinais e suor frio também são freqüentes. A criança deprimida apresenta incapacidade para divertir-se, algumas vezes queixando-se de estar aborrecida. Assistem muita televisão não se importando qual seja o programa. A baixa auto-estima e a culpa excessiva, além da diminuição do rendimento escolar são característicos da depressão. Apresentam também muita irritabilidade, sendo descritas pelos pais como mal humoradas. Os transtornos depressivos da infância podem ser classificados em duas formas bem distintas. A primeira delas, a distimia que, etmológicamente significa "mal-humorado", é uma forma crônica de depressão com início insidioso, podendo durar toda a vida da pessoa. Para firmar este diagnóstico é preciso que o humor seja depressivo ou irritável e esteja presente quase todos os dias por pelo menos um ano. A outra forma de depressão, transtorno depressivo maior é caracterizada por períodos ou crises apresentando uma síndrome depressiva completa (todos os sintomas descritos anteriormente) por pelo menos duas semanas, causando importantes prejuízos na vida da criança. Podem estar presentes alucinações, ideação ou condutas suicidas. Essa crise é nitidamente diferente do funcionamento habitual da criança. Os transtornos depressivos são bastante tratáveis hoje em dia, obtendo-se bons resultados. Pais que desconfiem que um filho sofra desse mal devem levá-lo a um psiquiatra ou serviço de psiquiatria para uma avaliação. O tratamento utiliza medicações antidepressivas e acompanhamento psicológico. Internações são necessárias em duas situações: quando o paciente fica psicótico (fora da realidade), o que é raro, ou quando existe risco de suicídio. Transtornos Globais do Desenvolvimento (Autismo Infantil) Esse grupo de transtornos é caracterizado por severas anormalidades nas interações sociais recíprocas, nos padrões de comunicação estereotipados e repetitivos, além de um estreitamento nos interesses e atividades da criança. Costumam se manifestar nos primeiros cinco anos de vida . Existem várias formas de apresentação dos transtornos globais, não havendo até o presente momento um consenso quanto à forma de classificá-los. A forma mais conhecida é o Autismo Infantil, definido por um desenvolvimento anormal que se manifesta antes dos três anos de vida, não havendo em geral um período prévio de desenvolvimento inequivocamente normal. As crianças com transtorno autista podem ter alto ou baixo nível de funcionamento, dependendo do QI, da capacidade de comunicação e do grau de severidade nos seguintes itens: - prejuízo acentuado no contato visual direto, na expressão facial, posturas corporais e outros gestos necessários para comunicar-se com outras pessoas. - fracasso para desenvolver relacionamentos com outras crianças, ou até mesmo com seus pais. - falta de tentativa espontânea de compartilhar prazer, interesses ou realizações com outras pessoas (por exemplo: não mostrar, trazer ou apontar objetos de interesse ). - atraso ou ausência total da fala ( não acompanhado por uma tentativa para compensar através de modos alternativos de comunicação, tais como gestos ou mímicas ). - em crianças com fala adequada, acentuado prejuízo na capacidade de iniciar ou manter uma conversa. - uso repetitivo de mesmas palavras ou sons. - ausência de jogos ou brincadeiras variadas de acordo com a idade. - a criança parece adotar uma rotina ou ritual específico em seu ambiente, com extrema dificuldade e sofrimento quando tem que abrir mão da mesma. - movimentos repetitivos ou complexos do corpo. - preocupação persistente com partes de objetos. O tratamento do transtorno autista visa principalmente uma educação especial com estimulação precoce da criança. A terapia de apoio familiar é muito importante: os pais devem saber que a doença não resulta de uma criação incorreta e necessitam de orientações para aprenderem a lidar com a criança e seus irmãos. Muitas vezes se faz necessário o uso de medicações para controlar comportamentos não apropriados e agressivos. O prognóstico destes transtornos é muito reservado e costumam deixar importantes seqüelas ou falhas no desenvolvimento dessas pessoas na idade adulta. Transtornos de Tique A manifestação predominante nessas síndromes é alguma forma de tique. Um tique é uma produção vocal ou movimento motor involuntário, rápido, recorrente (repetido) e não rítmico (usualmente envolvendo grupos musculares circunscritos), sem propósito aparente e que tem um início súbito. Os tiques motores e vocais podem ser simples ou complexos. Os tiques simples em geral são os primeiros a aparecer. Podem ser: - tiques motores simples: piscar os olhos, balançar a cabeça, fazer caretas; - tiques vocais simples: tossir, pigarrear, fungar; - tiques motores complexos: bater-se, saltar; - tique vocal complexo: coprolalia (uso de termos chulos), palilalia (repetição das próprias palavras), ecolalia (repetição de palavras alheias); O tratamento requer medicação e psicoterapia, principalmente para diminuir o isolamento social que comumente ocorre nesse transtorno. Transtornos da Excreção Esse transtorno inclui a enurese e a encoprese . A enurese é caracterizada por eliminação de urina de dia e/ou a noite, a qual é anormal em relação à idade da criança e não decorrente de nenhuma patologia orgânica. A enurese pode estar presente desde o nascimento ou pode surgir seguindo-se a um período de controle vesical adquirido. A enurese não costuma ser diagnosticada antes da criança completar cinco anos de idade e requer, para ser caracterizada, uma freqüência de duas vezes por semana, por pelo menos três meses. A encoprese é a evacuação repetida de fezes em locais inadequados (roupas ou chão), involuntária ou intencional. Para se fazer o diagnóstico é preciso que esse sintoma ocorra pelo menos uma vez por mês, por no mínimo três meses em crianças com mais de quatro anos. Ambas patologias podem ocorrer pelo nascimento de um irmão, separação dos pais ou outro evento que possa traumatizar a criança. A encoprese deliberada pode significar grave comprometimento emocional. Ambas podem durar anos, mas acabam evoluindo para uma remissão espontânea. Esses transtornos comumente geram intenso sofrimento na criança, levando a uma estigmatização, com conseqüente baixa da auto-estima. Geram também isolamento social e perturbações no ambiente e nas relações familiares. O tratamento abrange psicoterapia e utilização de medicamentos. Transtornos de Ansiedade na Infância A ansiedade é um sentimento vago e desagradável de medo e apreensão, caracterizado por tensão ou desconforto derivados de uma antecipação de perigos. As crianças em geral não reconhecem quando seus medos são exagerados ou irracionais. Uma maneira prática de diferenciar ansiedade normal de ansiedade patológica é avaliar se a reação ansiosa é de curta duração, auto limitada e relacionada ao estímulo do momento. Os sintomas de ansiedade podem ocorrer em varias outras condições psiquiátricas tais como: depressões, psicoses, transtornos do desenvolvimento, transtorno hipercinético, entre outros. A causa dos transtornos ansiosos infantís é muitas vezes desconhecida e provavelmente multifatorial, incluindo fatores hereditários e ambientais diversos, com o peso relativo de cada fator variando de caso a caso. Transtorno da Ansiedade de Separação Esse é o mais comum dos transtornos de ansiedade, acometendo 4% das crianças. Caracteriza-se por uma ansiedade não apropriada e excessiva em relação à separação do lar (pais) ou de figuras importantes cuidadoras para a criança, inadequada para a fase do desenvolvimento da criança. Essas crianças, quando ficam sozinhas, temem que algo possa acontecer para elas ou para seus cuidadores (acidentes, seqüestro, assaltos, ou doenças) que os afastem definitivamente de si. Demonstram um comportamento excessivo de apego aos seus cuidadores, não permitindo o afastamento desses ou telefonando repetidamente para eles afim de tranqüilizar-se sobre seus temores. É comum nessas crianças a ocorrência de recusa escolar. Se a criança sabe que seus pais vão se ausentar apresenta manifestações somáticas de ansiedade (dor abdominal, dor de cabeça, náusea, vômitos, palpitações, tonturas e sensação de desmaio). Em muitos casos de crianças afetadas os pais foram ou são portadores de algum transtorno de ansiedade. A perturbação tem uma duração mínima de quatro semanas e causa sofrimento significativo no funcionamento da vida da criança. O tratamento requer psicoterapia individual com orientação familiar e intervenções farmacológicas quando os sintomas são graves e incapacitantes. Quando há recusa escolar, o retorno às aulas deve ser o mais rápido possível para evitar cronicidade e evasão. É muito importante haver uma sintonia entre pais, escola e terapeuta. Fobias específicas e Fobia social As fobias específicas são definidas pela presença de medo excessivo e persistente, relacionado a um determinado objeto ou situação. Exposta ao estímulo fóbico, a criança procura correr para perto de um dos pais ou de alguém que a faça sentir-se protegida. Pode apresentar crises de choro, desespero, imobilidade, agitação psicomotora ou até mesmo ataque de pânico. Os medo mais comuns na infância são de pequenos animais, injeções, escuridão, altura e ruídos intensos. Essas fobias diferenciam-se dos medos normais da infância por serem reações excessivas, não adaptativas e que fogem do controle da criança. Na fobia social a criança apresenta um medo persistente e intenso de situações onde julga estar exposta à avaliação de outros , tendendo a sentir-se envergonhada ou humilhada. Essas crianças relatam desconforto em situações como : falar em sala de aula, comer junto a outras crianças, ir a festas, escrever na frente de outros colegas e usar banheiros públicos. Quando expostas a essas situações é comum apresentarem sintomas físicos como palpitações, tremores, calafrios, calores, sudorese e náusea. O tratamento mais utilizado para essas fobias tem sido a psicoterapia cognitivo-comportamental.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Sequência Didática para o 2° e 3° ano

Sequência Didática: Temas: AMIZADE e Nomes Próprios Conteúdos: - Leitura e escrita de nomes próprios -Valor da amizade - Organização Espacial (lateralidade) -Coordenação Motora Fina (grafia em cursivo) Objetivos: .Identificar e reconhecer seu nome e dos amigos do seu grupo; .Reconhecer a função da escrita dos nomes para marcar trabalhos, identificar materiais, registrar a presença na sala de aula... .Realizar a escrita do próprio nome e do nome de alguns colegas; Obs.:A partir da referência estável (nome) refletir como a escrita funciona. Conteúdo: Leitura e escrita de nomes próprios e amizade. - Descobrir com as crianças o conforto e a aceitação de si mesmas e dos outros. - Aprender a trabalhar em grupo, saber dividir os materiais na Sala de Apoio e respeitar o jeito de cada um. Tempo Estimado: 8 a 10 encontros Material Necessário: Livro Pedro e Tina,lápis, borracha, lápis de cor, craft, papel cartão, papel oficio, papel dupla face, fotos do grupo, Mesa Educacional Alfabeto, alfabeto móvel, revistas, jornais, cola, tesoura, pincel, tinta guache, sucata(caixas, rolinhos), canetões, máquina fotográfica, boliche do alfabeto. 1a Etapa - Propor que cada criança desenhe seu melhor amigo, fazendo um lindo trabalho para apresentá-lo. 2a Etapa - Linguagem oral: · Explorar a capa do livro. O que aparece nesta capa? Que nome vocês dariam para este livro? · Além de Tina, Pedro tem um outro amigo, que sempre está pertinho dele. Quem será esse amigo? 3a Etapa: Leitura da professora - Pedro e Tina e após leitura, descrever as características físicas e comportamentais de cada um. Explorar que cada aluno fale sobre suas qualidades e sobre o que pensa que precisa e pode melhorar consigo mesmo e para com os outros. 4ª Etapa – Cada amigo do grupo ganhará uma folha sulfite para desenhar o que mais gostou da história. No término das produções será questionado aos alunos de como fazer para que se saiba a quem pertence cada material desenhado na aula do dia(melhor amigo e parte da história). As crianças darão sugestões. Solicitar na sequência que cada um escreva seu nome e chamar a atenção para as letras usadas, a direção da escrita, a quantidade de letras, a contagem das sílabas, o registro do pensamento em frases, histórias, etc. Obs.: Com os alunos dos 3os Anos, será trabalhado a grafia em cursivo. 5ª Etapa –Confeccionar uma lista coletiva com os nomes do nosso grupo, a partir dos nomes de Pedro e Tina. Classificar quanto ao gênero Feminino e Masculino. 6ª Etapa – No caderno ilustrar com desenhos ou recortes nomes de objetos, animais, alimentos que comecem com a mesma letra do seu nome. 7ª Etapa - Caça-palavras com nomes do grupo sem o apoio da lista de nomes. 8ª Etapa – Bingo de nomes do grupo e registro do nome marcado em cartela paralela. 9ª Etapa – Mesa Educacional Alfabeto - Escrita dos nomes - letra inicial - escrever nomes de objetos, alimentos, etc, e trabalhar a escrita dos sons onomatopaicos a partir da seguinte introdução aos alunos: As coisas têm sons! Os objetos têm sons? Olhe só! Olhe só! Olhe, o Pedro da nossa história na poça d'água ! (mostrar no livro) O barulho, o som dos objetos e das coisas, chama-se onomatopeia. Qual é o som do cachorro? Au-au... Do gato? Miau-miau... O som do relógio? Clock ... clock ... clock... ou tique-taque - tique-taque... O som do sapato? Plac... plac...plac... ou ploc...ploc...ploc... Explorar outros sons do dia a dia que os alunos lembrarem. 10a Etapa: assitir o vídeo (YOUTUBE) -PEDRO E TINA - Imagens e narração da história. .Dramatizar a história no pátio da escola. Definir quem será o narrador, os personagens e o cenário. .Fazer um cartaz com os 2os Anos contemplando o assunto(Onomatopeias) com figuras e sons correspondentes. Os alunos dos 3os/4os e 5os farão a reescrita da história Pedro e Tina para exposição e propaganda do livro no quadro mural da escola. 11ª Etapa – Acróstico a partir dos nomes PEDRO e TINA. 12ª Etapa – Recorte e colagem. Disponibilizar revistas para que cada aluno procure, recorte e cole no caderno palavras que comecem com a mesma letra ou primeira sílaba do seu nome. Tentar elaborar cruzadinhas 13ª Etapa – Roda Cutia. Vamos formar num círculo(roda) no pátio. ·Explorar os conceitos em cima/embaixo, frente/costas, para baixo/para cima, direito/esquerdo a partir do livro Pedro e Tina. Relembrar, perceber e identificar a partir do(a) colega que estiver mais próximo, conforme a professora der o comando. Na sequencia cantar a cantiga RODA CUTIA. Enquanto cantarmos um amigo deverá pegar uma ficha na pilha dos nomes. Terá que ler o nome do amigo, colocar a ficha atrás do mesmo que sairá correndo tentando pegá-lo. Se for pego fica no centro da roda e se não for senta no lugar do amigo que agora escolherá uma ficha dos nomes também. Enquanto o amigo contorna de pé a roda todos cantam: Roda Cutia, de noite e de dia. O galo cantou e a casa caia! Obs.:Com os alunos dos 3os Anos, trabalharei com BOLICHE do ALFABETO, onde cada pino não derrubado, deverá ser anotado um nome próprio com a letra correspondente. Vence quem marcar menos nomes. 14a Etapa: Palavra puxa palavra com alfabeto móvel - A partir do nome da professora ROSANGELA, criar novas palavras: rosa, ANA, gela, gelo,ANGELA,ROSA, rola, nela, ROSANA, ROSANE, SOLANGE, ela, olá,sala, rala,galo, gola, sol, sal, SARA, sara, sola, ralo, *Primeiro fazer com os alunos, depois cada um fará individualmente ou em dupla as palavras que conseguir(em). Observar cada aluno:comportamento e escrita. *Entregar uma lista das palavras impressas para leitura; pintar os nomes próprios; circular palavras que possuem mais de três letras; traçar as palavras com três letras, etc. *Entregar fichas com quadradinhos impressos com sílabas dos nomes próprios trabalhados, recortar e colar no caderno. Marcar:Número de letras-Número de sílabas, letra inicial, letra final. Ex.: RO/SA/NE - Letras - Silabas- 1a Letra - Última letra: RO-SA-NE 6 3 R E SO/LAN/GE 7 3 S E (etc). 15a Etapa: Escrever as palavras do puxa palavra a partir da tabela. Abaixar as letras que formem palavras em sequência: R O S A N G E L A _R_0_S A___________ _____S_A_______L_A _____S_A_______L___ _R_O___________L_A _R_O_S_A_N______A _R_O_S_A_N_E_____ (etc) Observação: Durante as etapas serão realizadas atividades de registro(porta-atividades) em forma de caça-palavras, cruzadinhas, frases lacunadas, cartas enigmáticas correspondente a: brincadeiras de meninos e meninas, sentimentos, vestuário, animais, tendo como tema gerador e relacional, a história de Pedro e Tina. Sequência Didatica – 2º Ano e 3º Ano Período:_______ de __________ a _________de / 201__ Roda de Conversa: -Acolhida e Interação com autoapresentações – Professora e alunos -Confecção de crachás. Cada criança faz o seu com auxilio da professora, se necessário. Letra caixa alta (2º Ano) e cursiva (3º Ano) -Colocar no cartaz da chamada. Após o término das atividades, o crachá ficará com a professora. -Apresentar as atividades do dia – ROTINA - - Reconhecimento da sala (partes e materias) – Primeiro Dia - Conscientização da proposta de trabalho na sala de Apoio Pedagógico de forma positiva e motivadora. Obs.: Primeiramente ouvir o que as crianças sabem e imaginam sobre as aulas de Apoio. Em seguida solicitar que pensem e digam o que elas mais gostariam de fazer e aprender. Registrar em cartaz único com o titulo: Nós queremos nas aulas de Apoio: (Quando repetir alguma ação ou palavra, assinalar ao lado com uma estrelinha). Momento do autoretrato: - Hora de conversar a respeito de cada um (idade, com que mora, quem faz parte da família) e compartilhar suas preferências conforme consigna em ficha. UM BRINQUEDO:______________________ UMA COR:__________________________ UMA COMIDA:______________________ UMA ROUPA:______________________ UM ESPORTE:_____________________ UMA MÚSICA:______________________ UM AMIGO:_______________________ UMA BRINCADEIRA:_________________ UM NÚMERO:______________________ UM NOME:________________________ UMA FLOR:_________________________ Obs.: Observar em cada aluno sua leitura de mundo (conhecimento prévio). Atividade de escrita: Sondagem Inicial - Anexo . Anexar na pasta de evolução da escrita. Observação: Os alunos de 3º ano escreverão sobre suas preferências e sobre a casa e com quem moram. Atividade de Desenho: Sondagem - Fazer duas ilustrações com os titulos: * Eu aprendendo (objeto do conhecimento) e 0 (a)... me ensinando. (pessoa da família). * Eu aprendendo na sala de aula. Objetivo: Verificar como está o vinculo com a aprendizagem e registrar quem pode estar auxiliando no processo. Atividade com o Alfabeto Móvel: - Compreender, reconhecer (cartazes da sala) e compor a ordem alfabética utilizando a bandeja e caixa com alfabeto móvel. - Manusear e reconhecer o que está escrito nos blocos da mesa alfabeto. Sacolas vermelhas e amarelas. Obs. Deixar as crianças curiosas para explorar o material e criar expectativa prazerosa para usar o computador no próximo encontro. Atividade com sacola surpresa: -Verificar e retirar de uma sacola surpresa, vários brinquedos em miniatura e reconhecer o nome do brinquedo e a letra inicial e final. Trabalhar a contagem de silabas com palmas, contagem de dedos, pintando e ou recortando em quadradinhos. - Adaptar a atividade com a escrita (quadro branco) dos brinquedos identificados. - Explorar e separar os brinquedos por gênero, cor, tamanho, etc. - Observar se houve brinquedo para cada letra. Verificar e comentar. Atividade com Jogos: Hora de aprender jogando! - Interagir em grupo para identificar as letras iniciais de cada palavra no jogo Lince – Alfabeto da Turma da Mônica – 2º e 3º Ano. *Obs. Os alunos dos 3 Anos poderão classificar as palavras do jogo por grupos – separar - e registrar em caderno ou folha a escrita de nome dos animais, alimentos, objetos, lugares e outros. Aproveitar o momento para observar a grafia dominante do aluno. * Os alunos com dificuldade deverão ser orientados para observar em livros e tabelas o traçado da letra cursiva e treinar. Relacionar letras minúsculas com maiúsculas. Treinar a coordenação motora com tinta em folha, contorno da letra em cima de ficha, escrever com giz no chão, sempre orientando o movimento...direita, esquerda, pra cima, pra baixo, abrindo, fechando, etc. Leitura pela professora: Página 25 do livro 3 da Mesa Alfabeto– show de televisao - A chamada - Titulo da carta – O Amigo do Espaço Obs.: Solicitar que desenhem como cada um imagina que seja o PG, Patrulheiro das Galáxias e no próximo encontro trazer a figura do PG (cartaz). Correlacionar o desenho da criança para identificar o que ficou semelhante e diferente da imagem do personagem. Leitura pelos alunos: -Realizar leitura prazerosa com escolha de algum livro da caixa encantada. O aluno lê um pedacinho para a professora. Avaliar no momento, registrando em ficha especifica. Obs.: Observar e acompanhar a leitura individualmente. Atividade na Mesa Alfabeto ( Computador): 2º Ano: Interagir com o personagem no computador e realizar as atividades de: Registro dos grupos (cada aluno digita seu nome aluno), SALA de AULA (pré-silábicos,) e da O JARDIM DA CASA de DOCE (silábicos-alfabéticos sem e com valor sonoro). 3º Ano: Interagir com o personagem no computador e realizar as atividades A CASA DE DOCES Observação e Avaliação durante as atividades: Registrar em ficha especifica de acompanhamento o que for relevante da criança quanto ao seu desempenho durante as atividades. O que for mais positivo e o que precisa ser trabalhado mais quanto aos aspectos físicos,cognitivos e sócio-afetivos. Ao longo do processo fazer parceria com a professora da sala, e das áreas de Educação Física e Artes. clip_image002 Ser professor é professar a fé e a certeza de que tudo terá valido a pena se o aluno sentir-se feliz pelo que aprender com você e pelo que ele lhe ensinou... RETIRADO DO BLOG DA ROSANGELA

EXERCICIOS PARA TRABALHAR A PERCEPÇÃO VISUAL

Atividade com Palito de picolé colorido para trabalhar habilidades matemáticas e percepção visual Atividade Palito de Picolé colorido é uma ótima maneira de trabalhar em habilidades matemáticas na escola, e com profissional de Terapia Ocupacional é uma grande oportunidade de trabalhar as habilidades de percepção visual (discriminação visual, orientação espacial e constância de forma) Materiais necessários: - palitos de picolé de cores variadas. - papel e caneta hidrocor de cores variadas - Grau dificuldade ( de acordo com números de palitos utilizados na atividade ) Indicado para criança: 5 a 7 anos que estão em processo de construção: figuras simples ou complexas. Inventar, criar e construir figuras com palitos de picolé A criança construiu uma árvore e uma borboleta com os palitos de picolé. Em seguida, a criança copia o desenho no papel com caneta hidrocor , observar se a criança usou as mesmas cores para representar cada palito picolé. A capacidade de transferir uma construção de uma figura dos palitos de picolé coloridos para um desenho 2-dimensional é habilidade impressionante para crianças pequenas. RETIRADO DO BLOG TERAPIA OCUPACIONAL

quinta-feira, 11 de julho de 2013

DINAMICA VOLTA AS AULAS

Um garotinho chamado AMOR Era uma vez um garotinho chamado AMOR. AMOR era muito sonhador e sonhava sempre com a PAZ. Um certo dia , o AMOR sonhou que a vida só teria sentido se ele descobrisse a PAZ. Foi com GARRA que ele saiu à procura da PAZ. E chegando a uma casa tão abençoada repleta de pessoas especiais, o AMOR cheio de GARRA encontrou seus amigos com um lindo SORRISO nos lábios. Então, resolveu observar cada pessoa ali presente e, para sua surpresa, todos estavam cheio de GARRA tinham o mesmo SORRISO nos lábios. Nesse momento o AMOR começou a perceber que o SORRISO dos amigos transmitia a tão procurada PAZ. Só assim então o AMOR descobriu que a PAZ existe no interior de cada um de nós e que podemos encontrá-la através de um SORRISO. Perdido em seus pensamentos o AMOR só voltou a si mesmo, quando seus amigos gritaram: _AMOR, AMOR você encontrou a PAZ que procurava? _Sim. Encontrei a PAZ, pois ela existe em cada um de nós, basta dar um SORRISO sincero e buscar no outro a força para a superação. Assim o ambiente estava repleto de alegria e comungando com esse mesmo sentimento de AMOR, PAZ, nós Diretoria do Ministério de Células desejamos que todos SEJAM BEM VINDOS a esta festa de confraternização. Aproveitem,!!!! Divirtam-se!!!!!! Palmas pra Jesus DINÂMICA: UM GAROTINHO CHAMADO AMOR Começamos contando HISTORIA de UM GAROTINHO CHAMADO AMOR. Toda vez que as palavras abaixo fossem citadas na história, os participantes deveriam executar os comandos: AMOR–Abraço PAZ– Aperto de mão GARRA – Bater com o pé SORRISO – Uma gargalhada SEJAM BEM VINDOS – Bater Palmas RETIRADO DO BLOG MURAL DA MIRANDA

MENSAGEM AS SETE VERDADES DO BAMBU

As sete verdades do bambu As sete verdades do bambu 1. Depois de uma grande tempestade, o menino que estava passando férias na casa do seu avô, o chamou para a varanda e falou: 2. Vovô, corre aqui ! 3. Me explica como esta figueira, árvore frondosa e imensa, que precisava dequatro homens para abraçar seu tronco se quebrou, caiu com vento e com chuva, e... 4. ...este bambu tão fraco continua de pé ? 5. Filho, o bambupermanece em pé porque teve a humildade de securvar na hora da tempestade. A figueira quisenfrentar o vento. O bambu nos ensina sete coisas. Se você tiver a grandeza e a humildade dele,vai experimentar o triunfo da paz em seu coração. 6. A primeira verdade que o bambu nos ensina, e a mais importante, é ahumildade diante dos problemas, das dificuldades. Eu não me curvo diante do problema e da dificuldade, mas diante daquele, o único, o princípio da paz, aquele que me chama, que é o Senhor. 7. Segunda verdade: o bambu cria raízes profundas. É muito difícil arrancar um bambu, pois o que ele tem para cima ele tem para baixo também. Você precisa aprofundar a cada dia suas raízes em Deus na oração. 8. Terceira verdade: Você já viu um pé de bambu sòzinho? Apenas quando énovo, mas antes de crescer ele permite que nasça outros a seu lado (como no cooperativismo). Sabe que vai precisar deles. Eles estão sempre grudados uns nos outros, tanto que de longe parecem com uma árvore. Às vezes tentamos arrancar um bambu lá de dentro, cortamos e não conseguimos. Os animais mais frágeis vivem em bandos, para que desse modo se livrem dos predadores. 9. A quarta verdade que o bambu nos ensina é não criar galhos. Como tem a meta no alto e vive em moita, comunidade, o bambu não se permite criar galhos. Nós perdemos muito tempo na vida tentando proteger nossos galhos, coisas insignificantes que damos um valor inestimável. Para ganhar, é preciso perder tudo aquilo que nos impede de subirmos suavemente. 10. A quinta verdade é que o bambu é cheio de “nós” ( e não de eu’s ). Como ele é ôco, sabe que se crescesse sem nós seria muito fraco. Os nós são os problemas e as dificuldades que superamos. Os nós são as pessoas que nos ajudam, aqueles que estão próximos eacabam sendo força nos momentos difíceis. Não devemos pedir a Deus que nos afaste dos problemas e dos sofrimentos. Eles são nossos melhores professores, se soubermos aprender com eles. 11. A sexta verdade é que o bambu é ôco, vazio de si mesmo.Enquanto não nos esvaziarmos de tudo aquilo que nos preenche, querouba nosso tempo, que tira nossa paz, não seremos felizes. Ser ôco significa estar pronto para ser cheio do Espírito Santo. 12. Por fim, a sétima lição que o bambu nos dá é exatamente o título do livro: ele só cresce para o alto. Ele busca as coisas do Alto. Essa é a sua meta. RETIRADO DO BLOG OTIMISMO

SITUAÇÕES DIDÁTICAS ENVOLVENDO OS NÍVEIS DE ESCRITA

SITUAÇÕES DIDÁTICAS ENVOLVENDO OS NÍVEIS DE ESCRITA TRABALHO COM LETRAS · Letras do alfabeto: Jogos de alfabeto de materiais e tamanhos diferentes. Letras móveis para o educando montar espontaneamente palavras. Bingo e memória de letras. Atividades de escrita com letras. · Nomeação e identificação: Criar tiras com o alfabeto e figuras para serem materiais de consulta. · Analise das formas posições das letras: Atividades de escrita para o educando analisar, por exemplo, quantas pontas têm o H, quantas retas e utiliza no traçado do A, M, E, quantas curvas temas letras C, P, etc. · Valor sonoro – relação letra/som: jogos de memória com figura e letra inicial. Bingo de figuras. Alfabeto vivo. TRABALHO COM PALAVRAS · Nome próprio: Crachá com nome e foto ou desenho (autorretrato feito pelo educando. · Montar o nome com letras móveis. Bingo de nomes, de fotos e/ou autorretrato. Dominó de nomes (letra inicial / nome). Painel de chamada com cartões de nomes. · Análise da linguística da palavra: Letra inicial e final, número de letras, letras repetidas, vogal, consoante. Atividades de escrita com palavras. · Memorização de palavras significativas: Atividades de escrita. Listas de palavras. · Conservação da escrita de palavras: Atividades de escrita: complete, forca, enigma, “stop”, cruzadinha. Listas de palavras. TRABALHO COM FRASES E TEXTOS · Sentido e direção da escrita: Produção coletiva de listas, receitas, bilhetes, recados, etc. (sendo o professor o escriba). Ler para o educando (apontando sempre onde está lendo). · Vinculação do discurso oral com texto escrito: Leitura de história e reescrita espontânea individual ou produção coletiva. Escrita de história vivida pelos educandos. · Junção de letras na formação das silabas: Listas de palavras. Atividades de escrita: complete, forca, enigma, “stop”, cruzadinha. NÍVEIS DE ESCRITA - AGRUPAMENTOS PRODUTIVOS APRENDER JUNTOS: AGRUPAMENTOS PRODUTIVOS • Pré-silábico COM Silábico sem valor sonoro. • Silábico sem valor sonoro COM Silábico com valor sonoro. • Silábico com valor sonoro COM Silábico-Alfabético. • Silábico-Alfabético COM alfabético. ALGUMAS DIFICULDADES QUE O EDUCANDO ENCONTRA QUANDO CHEGA NO NÍVEL ALFABÉTICO • Transcrição fonética: tumati – kavalu = tomate – cavalo • Segmentação indevida: utumati = o tomate, com seguiu = conseguiu. • Juntura vocabular – uka valu = o cavalo, agente = a gente. • Troca do ao pelo am, i por u (e vice versa): paum = pão. • Ausência de nasalização: troca de m por n ou til (vice e versa): comseguiu – cõsegiu. • Supressão ou acréscimo de letras. • Troca de letras / origem das palavras (etimologia): zino = sino, geito = jeito. • Escrita não segmentada: UKAVALUPIZO"UTUMATI = o cavalo pisou no tomate. • Não registra silabas de estruturas complexas: os dígrafos, o padrão CCV. • Frases descontextualizadas e textos sem seqüência lógica. • Escrita espelhada: d por b, p por q. • Hipercorreção: coloo – colou, medeco – médico. "É importante que o professor atue nessas tarefas como um mediador, observando e intervindo de acordo com as necessidades de cada aluno", afirma Francisca Izabel Pereira Maciel, diretora do Centro de Alfabetização. Leitura e Escrita (Ceale), da Universidade Federal de Minas Gerais. Quando a garotada vai escrever uma cantiga já memorizada (como a da atividade Escrever para aprender a escrever), por exemplo, o ideal é fazer intervenções específicas para que haja reflexão sobre as letras e palavras a usar. Atividade: Escrever para aprender a escrever O que é: a escrita de textos memorizados - como cantigas, parlendas, trava -línguas e quadrinhas - ou de listas (de nomes, frutas, brinquedos etc.) que podem ser escritos com lápis e papel ou com letras móveis. Quando propor: em dias alternados com as atividades de leitura para reflexão sobre o sistema de escrita . A atividade deve ser realizada com alunos não alfabéticos. Para os alfabetizados, é aconselhável propor um trabalho sobre ortografia ou pontuação, uma vez que eles já sabem escrever. O que a criança aprende: concentrada apenas no sistema de escrita - pois o conteúdo ela já sabe de cor -, a criança pode se voltar apenas ao "como escrever", pensando em quantas e quais letras usar. Ela se esforça para encontrar formas de representar graficamente o que necessita redigir, avançando no processo de alfabetização. Como Trabalhar a Organização da turma: a produção escrita é uma atividade em que a formação de agrupamentos produtivos tem ótimo resultado. A professora junta crianças com níveis próximos.Argumentando com o colega e trocando idéias, a criança não só consegue organizar sua concepção sobre a escrita como também repensá-la. Desenvolvimento da atividade: em uma das aulas , a professora sugeriu que a turma escrevesse a letra da música Cai, Cai, Balão, já memorizada por todos. O desafio era escolher letras e formar as palavras necessárias para compor o texto com a ajuda do parceiro. Ao ver o colega começar o primeiro verso com A - quando deveria ser escrita a palavra "cai" -, uma menina sinalizou que não era essa a letra."Coloca o C de cai!", disse ela, encontrando certa desconfiança do parceiro.A professora interveio, pedindo que o aluno comparasse a palavra "cai" com um dos nomes da turma - Carina. "O começo das duas palavras não é parecido?", perguntou. Dessa forma, os dois concordaram, escreveram a palavra e passaram adiante na tarefa. Confirmar o que está escrito: uma última etapa é fundamental nessa atividade: a professora pede que os alunos leiam o que acabaram de produzir. Assim, há espaço para problematizar a diferença entre o que se lê e o que se escreve. Ela passa ao menos uma vez pelas carteiras no decorrer do trabalho. Ao perguntar a uma dupla o que já tinha escrito, soube que os três primeiros versos estavam ali representados."E onde está escrito mão?", indagou. Os dois se entreolharam. Um deles mostrou: "NU". "Com que letra começa ‘mão’?", pergunta. "Com M!", respondeu o outro aluno. "Não está faltando letra nesse verso, então?", questionou ela, liberando os dois para discutir os próximos passos. Permitindo que os alunos trabalhem em dupla, ela deixa de ser a única informante válida na classe e ganha mobilidade para dar atenção a quem precisa de mais ajuda. Para os alfabéticos - que vão se tornando mais numerosos com o passar do ano -, essa atividade tem outro objetivo, já que eles sabem escrever. Trabalhando entre si, eles devem melhorar a ortografia e a segmentação - é comum escreverem as palavras corretamente, mas juntando umas às outras. Quando passa nesses grupos para acompanhar o andamento da tarefa e vê que há erros ortográficos, convida os estudantes a consultar o dicionário. Assim, ela não corrige, mas ensina a buscar a grafia correta. Momentos de leitura e escrita individuais também fazem parte do planejamento porque é necessário que cada aluno tenha espaço para desenvolver as próprias idéias. Isso acontece, por exemplo, no cantinho de leitura, que a turma freqüenta diariamente, nos intervalos entre as atividades ou nos momentos especialmente destinados a isso. É nesse espaço que ficam reunidos materiais como livros, jornais, folhetos de propaganda e enciclopédias. "Ofereço uma diversidade de textos à qual eles dificilmente teriam acesso". Toda semana, as crianças podem escolher uma obra e levá-la para casa com a recomendação de ler com os familiares. A importância desse momento é enfatizada nas reuniões de pais, onde são incentiva também a acompanhar o progresso dos filhos pelos cadernos. "Digo que as crianças vão sentir que o empenho em aprender está sendo reconhecido." RETIRADO DO BLOG MURAL DA MIRANDA

MODELO TERMO DE COMPROMISSO

MODELO TERMO DE COMPROMISSO TERMO DE COMPROMISSO Eu,___________________________________________________________________________ na condição de responsável pelo (a) aluno (a) _______________________________________________ ________________________________________, matriculado (a) no ____ Turma ____, turno________ do Ensino Fundamental nesta Unidade escolar, estou CIENTE das exigências contidas neste termo bem como das NORMAS E REGRAS assumindo e firmando compromisso com a equipe gestora e pedagógica desta escola. Afirmo ainda que, no caso de desrespeito/infração ou não cumprimento dos termos/regras implicará em sanções para o (a) meu filho (a) como: suspensão, expulsão, como também a escola estará tomando providências junto aos órgãos competentes: Ministério Publico e Conselho Tutelar. Outrossim, afirmo que tenho consciência que, para que meu filho (a) venha a ter êxito na sua “VIDA ESCOLAR”, depende principalmente do ACOMPANHAMENTO e APOIO FAMILIAR, portanto estarei empenhado (a) em dar toda assistência necessária tanto para meu (a) filho (a) como para escola, onde estarei participando das reuniões e dos projetos desenvolvidos pela mesma. 1.1– O Código Penal em seu artigo 246, diz que “deixar, sem justa causa, de prover a instrução primária de filho em idade escolar” pode ocasionar a PENA DE DETENÇÃO de 15 dias a um mês ou multa. Isto que dizer que os pais podem ser punidos se não mantiverem o filho estudando e/ou acompanhar a situação escolar do filho 1.2 – O Artigo 22 do Estatuto da Criança e do Adolescente ECA, que: Aos pais incumbe o DEVER DE SUSTENTO, GUARDA E EDUCAÇÃO dos filhos menores, cabendo-lhes ainda no interesse deste a obrigação de cumprir e fazer cumprir as determinações judiciais. “Isto que dizer que os pais tem dever de cuidar dos filhos e acompanhar a vida escolar dos mesmos”. 1,3 – O Artigo 56 do ECA, diz que dirigentes de Estabelecimento de Ensino Fundamental comunicarão ao Conselho Tutelar os casos de : I – Maus-trato envolvendo seus alunos; II- Reiteração de faltas injustificadas e de evasão escolar, esgotados os recursos; II- Elevados níveis de repetência. Isto que dizer que as escolas também não podem “descuidar” da freqüência escolar do estudante e nem deixar de preocupar-se com os elevados níveis de repetências, devendo repensar e reorganizar a estrutura educacional da escola para melhorar seus resultados. 2.1- Respeitar os horários: Entrada: 07:30 h – tolerância 7:45 h (manhã). 13:30 h – tolerância 13:45 h (tarde). Obs: Após o término do tempo estipulado o portão será fechado e o aluno atrasado voltará. Saida: 11:30 h (manhã). 17:30 h (tarde). Obs: Depois deste horário a escola se tornará isenta de qualquer problema que venha ocorrer com o seu (a) filho (a). 2.2 - Não é permitido o uso de mini saia, blusas muito decotadas, roupas tomara que caia. 2.3 - A escola não se responsabilizará por: celulares, jóias, bonés, ou qualquer outro objeto de valor. 2.4- Quando os senhores pais precisarem falar com os professores ou seus (a) filhos (a) dirijam-se primeiro a secretaria da escola para solicitar e falar com os mesmos; 2.5- Durante o período de aula não é permitido o acesso dos pais a sala de aula sem antes solicitarem na secretaria; 2.6- Proibido o uso de estilete pelos (as) alunos (as) 2.7- Proibido o consumo de chicletes na escola; 2.8- O aluno que danificar qualquer coisa (rabiscar paredes e carteiras, etc.) o responsável pelo mesmo será chamado na escola para providenciar a restauração do que foi danificado; 2.9- Todo material (celulares, brinquedos, MP3, etc.) que for apreendido por estarem atrapalhando o andamento das atividades de sala de aula será recolhido e devolvido somente para o responsável pelo (a) aluno (a) 2.10- Qualquer tipo de violência física ou verbal a escola fará ocorrência e tomará as devidas providências; 2.11- Em caso de necessidade do (a) aluno (a) sair antes do término do horário de aula os mesmos só serão liberados mediante a presença dos responsáveis ou solicitação por escrito (datada e assinada); 2.12- Faltas de aluno (a) não justificada, a ficha do (a) mesmo (a) será encaminhada aos órgãos competentes (Ministério Publico e Conselho Tutelar). Quem recebe o Bolsa Família poderar perder o benefício. Estes são alguns dos itens que precisam ser respeitados e assim tudo poderá transcorrer dentro do normal. Contamos com os senhores, no sentido de conscientização das nossas crianças. “LEMBRE-SE: O INTERESSE EM ACOMPANHAR A VIDA ESCOLAR DOS SEUS FILHOS CONTRIBUI PARA QUE ELES APRENDAM MAIS E MELHOR, POIS UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE COMEÇA

A história da escrita

A história da escrita É fascinante a história da escrita e as crianças, assim como os adultos gostam de aprendê-la. Temos uma memória histórica (lembrei de você, Goretti), sobre a qual tenho que estudar mais, mas que inegavelmente se faz presente durante a alfabetização. A aprendizagem da escrita, na qual o aluno faz garatujas, desenha, representa letras e numerais, letras, escreve sílabas, forma palavras, produz textos inteiros, nos é familiar, não apenas pela sala de aula, mas no que nos conta a história e a evolução do nosso sistema de escrita, aliás, não só o nosso, como todo ele. Saber que a nossa raça humana realizou essas descobertas e que trazemos isso intrínseco em nós ameniza a vontade de acertar de primeira atendendo as exigências da escrita e faz com que o medo do dito erro não aterrorize os escritores que se formam. Cagliari, em seu livro Alfabetizando sem o ba-be-bi-bo-bu, é agora o meu alvo e com ele as reflexões que surgirem. Logo no começo do livro, o autor sugere esse conhecimento da história da escrita por parte dos estudantes. Ele garante que é falsa a ideia de que a escrita era dominada apenas por sacerdotes, reis e pessoas de poder, com o argumento de que a escrita é um fato social, uma convenção que não sobreviveria a custa de poucas pessoas. As escritas nas paredes do Egito também mostram que a escrita era popular, na Mesopotâmia, Hamurabi mandou publicar em praça pública um código de leis para que o povo soubesse sob quais leis vivia e como se comportar em sociedade. A escrita surgiu do sistema de contagem feito com marcas de cajados ou ossos para contar, provavelmente, animais. Nessa época ser alfabetizado era saber ler e escrever esses sinais. com o tempo a quantidade de informações aumentou e o sistema de símbolos também. Assim as regras de alfabetização funcionavam para que o leitor soubesse o que estava escrito e conhecer esse sistema, para poder utilizá-lo. antigamente os alunos se alfabetizavam aprendendo a ler algo já escrito e depois copiando-o (alguma semelhança?). Como somos sujeitos históricos, todos nós e não só os alunos, podemos fazer aqui uma pausa para pensarmos em como essa aprendizagem nos diz respeito. Há tanto ainda que ler, partilhar e discutir, mas esse caminho de ler e escrever foi trilhado por nós e ainda faz parte de algumas situações ou salas inteiras. Certo ou errado? Para mim a resposta é, depende! Mas cada um deve fazer sua reflexão, pois só assim avançamos em nosso trabalho. Retirado do blog ABC.

Modelo de comunicado para os pais

SENHOR OU SENHORA RESPONSÁVEL PELO ALUNO ______________________________________________________Turma_____ Solicitamos que acompanhe seu filho à escola no dia __/ __/__, ás _______. Para que possamos conversar a respeito da vida escolar e comportamento do mesmo. Nosso objetivo é atender ao aluno da melhor maneira possível, buscamos o seu crescimento pessoal em todos os níveis. Mas, só juntos, família e escola, o objetivo será alcançado. Gratos pela atenção dispensada. Atenciosamente, Divana de Fátima Das Mercês Supervisora Pedagógica Favor devolver assinado Assinatura do responsável____________________________________________ Assinatura do aluno _________________________________________________ SENHOR OU SENHORA RESPONSÁVEL PELA ALUNA ______________________________________________________Turma_____ Solicitamos que acompanhe sua filha à escola no dia __/ __/__, ás _______. Para que possamos conversar a respeito da vida escolar e comportamento da mesma. Nosso objetivo é atender ao aluno da melhor maneira possível, buscamos o seu crescimento pessoal em todos os níveis. Mas, só juntos, família e escola, o objetivo será alcançado. Gratos pela atenção dispensada. Atenciosamente, Divana de Fátima Das Mercês Supervisora Pedagógica Favor devolver assinado Assinatura do responsável____________________________________________ Assinatura da aluna _________________________________________________ FICHA DE ALUNO INCLUSIVO Aluna: Ano de Escolaridade: Turma: Data de Nascimento: Idade: Data:___/___/2013. DADOS FAMILIARES: Nome do pai: Nome da mãe: Profissão do pai: Profissão da mãe: Número de irmãos: Mora com: CONDIÇÕES DE SAÚDE: DESENVOLVIMENTO DO ALUNO: 1- HABILIDADES (aspecto cognitivo, motor, social) 2- DIFICULDADES (aspecto cognitivo, motor, social) Com base nas dificuldades e habilidades do aluno, como tem sido o desempenho em suas aulas? Estratégias que tem usado com o aluno. Dificuldades que encontra com relação ao atendimento ao aluno. Assinatura/ Disciplina:__________________________________________________ por extenso FICHA DE ACOMPANHAMENTO ATITUDINAL E PROCEDIMENTAL: Turma_______ ALUNO(A)______________________________________DATA__/__/__ Senhor (a) ______________________________responsável do (a) aluno (a) citado acima, como parte integrante de nossa parceria na função de educar, cumpre-nos informá-lo das atitudes e comportamento que ele (ela) vem apresentando em sala de aula: ( ) Desrespeitou o(a) professor(a) :___________________________________; ( ) Desrespeitou o(a) colega:________________________________________; ( ) Não trouxe o material necessário para a aula:_________________________; ( ) Atrasa-se constantemente para entrar em sala de aula; ( ) Não realizou a atividade em sala de aula da(s) seguinte(s) matéria(s): __________________________________________________________________ ( ) Não realizou o(s) dever(es) de casa da(s) seguinte(s) matérias: ( ) Apresenta atitudes e comportamento que interferem no desenvolvimento normal da aula, atrapalhando colegas e professor(a) ( levanta-se do lugar constantemente; conversa assuntos alheios à aula; produz barulho batendo na carteira com algum objeto ou batucando, cantando, gritando ou assoviando; joga bolinhas de papel ou pedaços de borracha nos colegas e no (a) professor (a) ; não presta atenção à aula; não ouve o (a) professor (a); incomoda os colegas com brincadeiras fora de hora; pega objeto do colega sem permissão; ... ) ( ) Outros:______________________________________________________ Queremos garantir o aprendizado do (a) aluno (a), porque sem a devida atenção à aula e a realização da atividade não há assimilação do conteúdo ministrado. Acompanhe em casa, regularmente, o caderno de seu (sua) filho (a), verifique se está fazendo as atividades em sala e os deveres de casa. Colocamo-nos à disposição para quaisquer esclarecimentos. ESPAÇO RESERVADO PARA AS OBSERVAÇÕES DO RESPONSÁVEL: ·_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ X_____________________________________________________________________ Assinatura do responsável dando ciência das atitudes e comportamento do (a) aluno (a). Assinatura do aluno ao receber a Ficha Atitudinal e Procedimental em ____/____/____ _________________________________________________________________ COMUNICADO AO RESPONSÁVEL : ATRASO À ESCOLA ALUNO (A)___________________________________turma___ Chegou atrasado (a) à escola hoje. Caracterizando o atraso quando o (a) mesmo (a) chega após às 12 horas e 30 minutos. Lembrando que dez minutos são apenas para imprevisto, constituindo raríssima exceção. O correto é a presença do (a) aluno (a) na escola às 12:30 horas pontualmente. A primeira aula começa às 12:30 horas e termina às 13 horas e 20 minutos. Portanto, ao se somar 05 atrasos de dez minutos, o (a) aluno (a) perde uma aula inteira de 50 minutos. Favor entrar em contato conosco pelo telefone 3872 -1571 para justificar os atrasos de seu (sua) filho (a), ou compareça à escola para averiguar a situação, também pedimos que devolva assinado esse comunicado para comprovar sua ciência dos atrasos do (a) aluno (a). Não deixe seu (sua) filho (a) se atrasar e muito menos faltar às aulas, nem um dia sequer, justifique com atestado médico ou compareça à escola para nos informar dos motivos que impediram a presença do (a) aluno (a) às aulas. É muito importante que a família acompanhe em casa, regularmente, o caderno do (a) aluno (a) e verifique se ele (ela) está fazendo as atividades em sala e os deveres de casa. Nosso objetivo é atender ao aluno (a) da melhor maneira possível, buscando o seu crescimento pessoal em todos os níveis. Mas, só juntos, família e escola, o objetivo será alcançado. Gratos pela atenção dispensada. Estamos disponíveis para quaisquer esclarecimentos. Abre Campo ________de________ de 201____. FAVOR DEVOLVER ASSINADO ASSINATURA DO RESPONSÁVEL: _____________________________________________________________________________ COMUNICADO AOS PAIS E/OU RESPONSÁVEL – Assunto: Infrequência escolar ALUNO (a)_____________________________________turma____ De acordo com os nossos registros, até o presente momento, na disciplina de _________________, professor (a)___________________________que tem _____ aulas por semana, foram contabilizadas um total de ____ faltas ________________. Sabemos que se o aluno não comparecer às aulas não assimilará o conteúdo ministrado naquele momento e ficará defasado em relação aos alunos que estão presentes. O processo de aquisição de conhecimento é contínuo e cumulativo, um dia que se perde prejudica o aluno. Gostaríamos de informar que há algumas perguntas que precisam ser respondidas pela família: O (a) aluno (a) copiou a matéria perdida? Comunicou ao (a) professor (a) o motivo de suas faltas e recebeu dele (a) as atividades perdidas no período? O (a) aluno (a) estudou em casa a matéria e pôs o caderno em dia? O (a) aluno (a) parou de faltar às aulas? É assíduo (a)? Para garantir que o processo de aquisição de conhecimento da criança ou do adolescente não seja rompido, a família precisa estar atenta aos seguintes procedimentos: Não deixar que se atrase, garantindo que esteja na escola às doze e trinta em ponto para a primeira aula. Não deixar que falte, nem um dia sequer e justificar com atestado médico ou presença na escola o motivo da falta, quando houver. Acompanhar em casa regularmente os cadernos, verificando se está fazendo as atividades em sala e os deveres de casa. Qualquer dúvida que tiver entrar em contato imediatamente com a Orientadora Educacional - (Elenice) e Direção da Escola (Diretora: Rosiléa ou v ice: Conceição) pelo telefone 3872 - 1751 ou pessoalmente para averiguar a situação. Estamos disponíveis para quaisquer esclarecimentos. Abre Campo, _____ de __________ de 201____. FAVOR DEVOLVER ASSINADO ASSINATURA DO RESPONSÁVEL DANDO CIÊNCIA DA INFREQUENCIA: X______________________________________________________________ Recibo de Comunicado de Infrequência alternada com justificativa O Aluno ___________________________________________turma__ Recebeu nessa data _____/_______/201___, o comunicado de infrequência escolar. CONVOCAÇÃO NO. 01 SENHOR OU SENHORA RESPONSÁVEL DO (A) ALUNO (A): ___________________________________________TURMA_______ Cumprindo a Lei 9.394/96(Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional que diz em seu artigo 12: As escolas têm a incumbência de articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola e deve informar os pais e responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica. Informando ainda que o Estatuto da Criança e do Adolescente em seu artigo 129, inciso V diz que os pais ou responsáveis devem matricular o filho ou pupilo e acompanhar sua freqüência e aproveitamento escolar. Dessa forma solicitamos sua presença na escola no dia _____/____/___ No horário de _____________. Para tratarmos de assunto referente ao aluno (a) citado (a) acima. O telefone de contato da escola é 3872 1751. Entre em contato conosco. Somos parceiros na tarefa de educar. Nosso objetivo é atender ao aluno (a) da melhor maneira possível, buscamos o seu crescimento pessoal em todos os níveis. Mas, só juntos, família e escola, o objetivo será alcançado. Gratos pela atenção dispensada. Atenciosamente, X______________________________________________________________ ASSINATURA DO RESPONSÁVEL DANDO CIÊNCIA DA CONVOCAÇÃO Recibo de convocação Aluno(a) ____________________________________________ TURMA______ Recebeu uma convocação para comparecimento do seu responsável legal no dia _______/________/________ às ___________, Ficando ciente que deve entregá-la e comparecer à escola junto dele (a) no Dia _______/______/________ Horário: ____________. CONVOCAÇÃO no. 02 SENHOR OU SENHORA RESPONSÁVEL PELO (A) ALUNO (A) __________________________________________________TURMA_______ Cumprindo a Lei 9.394/96(Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional que diz em seu artigo 12: As escolas têm a incumbência de articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola e deve informar os pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica. Informando ainda que o Estatuto da Criança e do Adolescente em seu artigo 129, inciso V diz que os pais ou responsáveis devem matricular o filho ou pupilo e acompanhar sua freqüência e aproveitamento escolar. Dessa forma foi solicitada sua presença na escola no dia __/ ____/___ No horário de _____________. Através da CONVOCAÇÃO NO. 01 entregue Ao (a) aluno(a) no dia ______/______/_____ às__ ___________. Contudo,não recebemos nenhuma resposta e nem sabemos se o (a) aluno (a) comunicou em casa nossa solicitação. Mais uma vez, oferecemos uma oportunidade da família entrar em contato conosco. Compareça à escola Dia______/______/______ às _______horas e _____minutos junto com seu (sua) filho(a) ou pupilo(a), para averiguar a situação. Ele (ela) deverá entrar na escola acompanhado (a) do seu responsável legal. Nosso objetivo é atender ao aluno (a) da melhor maneira possível, buscamos o seu crescimento pessoal em todos os níveis. Mas, só juntos, família e escola, o objetivo será alcançado. Gratos pela atenção dispensada. Atenciosamente, Recibo de convocação ____________________________________________________turma______ Recebeu uma segunda convocação para comparecimento do seu responsável ______/_______/_____ às _________ . Ficando ciente que deve entregá-la e comparecer à escola no dia ____/_____/______ às ________. CONVOCAÇÃO no. 03 SENHOR OU SENHORA RESPONSÁVEL PELO (A) ALUNO (A) _____________________________________________________TURMA_______ Informamos que a escola deve cumprir a Lei 9.394/96(Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional que diz em seu artigo 12: As escolas têm a incumbência de articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola e deve informar os pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica. Informando ainda que o Estatuto da Criança e do Adolescente em seu artigo 129, inciso V diz que os pais ou responsáveis devem matricular o filho ou pupilo e acompanhar sua freqüência e aproveitamento escolar. Por esse motivo foi solicitada sua presença na escola no dia _____/____/___ No horário de _____________. Para tratarmos de assunto referente ao aluno (a) citado (a) acima. Não recebemos nenhuma resposta e nem sabemos se o aluno comunicou em sua casa nossa solicitação. Temos buscado entrar em contato com a família do (a) referido (a) à algum tempo através de comunicação por escrito entregue ao (a) aluno (a), contato telefônico, recado de terceiros. Compareça à escola dia _____/____/_____ as __________h. Sua presença é imprescindível. Cumprindo também com O Estatuto da Criança e do Adolescente comunicaremos ao Conselho Tutelar a ausência dos responsáveis perante convocação da escola. De acordo com o artigo 56 da Lei 8.069/96. Nosso objetivo é atender ao aluno (a) da melhor maneira possível, buscamos o seu crescimento pessoal em todos os níveis. Mas, só juntos, família e escola, o objetivo será alcançado. Gratos pela atenção dispensada. Atenciosamente, Orientação Educacional Assinatura do pai ou responsável: ___________________________________ ............................................................................................................................... Recibo de convocação número 03 Recebeu mais de uma convocação para comparecimento do seu responsável nos dias ___/____/_____ , _____/______/______, e ____/______/¬¬¬______ .Em todos os momentos foi devidamente informado que a presença do responsável era imprescindível para a sua permanência na escola. Assinatura do aluno (a):________________________________________ TERMO DE COMPROMISSO ESCOLAR Eu____________________________________________________________________ aluno (a) da turma __________ turno:_____________ Assumo o compromisso nessa presente data de cumprir com as regras definidas no Regimento Interno da Escola, apresentando respeito para com professores, colegas e demais funcionários da escola. Em relação aos estudos, apresentarei sempre que me pedirem meus cadernos organizados e com a matéria e exercícios feitos e completos; tendo o compromisso de mantê-los em dia, ou seja, completos. Realizarei com interesse e boa vontade as tarefas que forem solicitadas pelos professores; entregarei os trabalhos no tempo delimitado. Estou ciente que para o meu aproveitamento em aprendizagem eu preciso ficar atento às explicações dos professores, esclarecer minha dúvida referente à matéria estudada, acompanhar a linha de raciocínio do professor quando este estiver falando e ajudarei a minha turma com observações pertinentes à aula, ou seja devo estar envolvido e me esforçar para compreender o conteúdo e não somente estar presente em sala de aula sem fazer nada. Para não deixar dúvidas do comportamento que a escola espera de mim, comprometo-me a obedecer as orientações dos professores, da orientadora e diretora . Minha família me ajudará a cumprir esse TERMO DE COMPROMISSO ESCOLAR que agora assino. Abre Campo,, _____de __________________ de __________ . Assinatura do aluno (a):___________________________________________________ Assinatura do responsável pelo aluno(a):______________________________________ Assinatura do Especialista em Educação Básica:_______________________________ Assinatura da Direção da Escola:____________________________________________ COMUNICADO AOS PROFESSORES 1. Gentileza comunicar à Orientação Educacional 05 (cinco) faltas consecutivas e 10 (dez) faltas alternadas do (a) aluno (a) assim que identificar essas ocorrências. 2. Uso do Caderno de Ocorrências: O caderno de ocorrência contém o nome de cada aluno em uma folha específica, onde se fará o relato da ocorrência em sala de aula tais como: ( ) Desrespeitou o(a) professor(a) , relate o ocorrido ( ) Desrespeitou o(a) colega: relate como... ( ) Não trouxe o material necessário para a aula, qual? ( ) Atrasa-se constantemente para entrar em sala de aula; ( ) Não realizou a atividade em sala de aula da(s) seguinte(s) matéria(s): ( ) Não realizou o(s) dever(es) de casa da(s) seguinte(s) matérias: ( ) Apresenta atitudes e comportamentos que interferem no desenvolvimento normal das aulas, atrapalhando colegas e professor(a) ( levanta-se do lugar constantemente, conversa assuntos alheios ao assunto da aula, produz barulho batendo nas carteiras ou assoviando, joga bolinhas de papel no interior da sala...) ( ) Outras ocorrências... Caro (a) professor (a) a questão da indisciplina em sala de aula sempre é um ponto delicado; há dificuldades, a escola não recebe o apoio que gostaria de receber da família, mas há algumas atitudes que a escola pode usar que favorecem a disciplina em sala, alguns exemplos: Definição de limites: estabelecer limites desde a primeira aula, com extrema clareza e espírito aberto às sugestões. Os limites das atitudes que forem aceitas pelo grupo de alunos devem ser observados. Definir “seus” limites, mas estabelecer um procedimento de participação cooperativa; Cobrança firme e serena; Sua mesa, seu templo: evitar que os alunos se aglomerem em torno de sua mesa; Delimitar a estrutura da sala, não permita que os alunos fiquem soltos pela sala, dispor as carteiras e os alunos de forma que favoreça a aula; Usar a terapia do diálogo pessoal: ao identificar casos particulares de condutas estranhas chame o aluno para um “bate papo” indagando sempre o motivo de posturas resistentes. É importante passar a imagem de que a indisciplina é uma particularidade que exige compreensão e debate. O Caderno de Ocorrências funciona melhor quando não é usado. Explico: Antes de colocar o nome do aluno deve-se negociar. Tornar o aluno seu devedor, se enche o nome do aluno no caderno, perde o seu valor, como instrumento de coerção ele é frágil; O Caderno ficará na sala do Diretor ou na secretaria caso necessite, peça ao orientador. RECEBI O COMUNICADO ACIMA E ASSINO DANDO O MEU CIENTE DAS INFORMAÇÕES: RETIRADO DO BLOG APRENDENDO E ENSINANDO.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

SEQUENCIA DIDATICA DA SERAFINA

Localizar, no texto, “Uma menina especial” as informações solicitadas. 1- Tudo começou no dia em que olhei para o rosto da minha irmã... Escreva um pequeno texto narrando o que poderá acontecer com a personagem? ______________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 2. A história traz uma mistura de realidade com fantasia. Localize, no texto uma menina especial esse momento de fantasia. _______________________________________________________________________________________________________ 3. Leia o trecho: ―Agora Serafina precisava criar seu diário, para que ela pudesse registrar suas ideias‖ - A palavra em negrito é substituída, no trecho seguinte, por outra de igual sentido. Que palavra foi usada para substituí-la? _______________________________________________________________________________________________________ Por que foi necessário fazer a substituição da palavra Serafina? ________________________________________________________________________________________________________ 4. Qual é o clímax (momento de maior tensão) da história? _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 5. ―Certo dia Serafina escreveu um diário.‖ Retire o verbo da frase acima e diga se ele expressa algo que já aconteceu (passado) ou que ainda vai acontecer (futuro). ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Dispor as fichas com frases emendadas da quadrinha e com as palavras da quadrinha e pedir que os alunos organize-as de maneira correta e depois copiarem no caderno.

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA EJA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA EJA SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MEMÓRIAS DA INFÂNCIA Público: Alunos do 1º ao 5º ano – Ensino Fundamental EJA Apresentação: Este material tem como objetivo a apresentação de uma sequência didática constituída de um pequeno conjunto de aulas para abordar as memórias da infância, focando o trabalho com diversos gêneros textuais, e com ênfase na oralidade. Característica da turma: Pessoas adultas, donas de casa e aposentados, sendo aproximadamente 13 mulheres e 02 homens, em sua maioria acima de 50 anos de idade; com nível de escolarização entre 1º, 2º e 3º anos. Dicas de como trabalhar com sala multisseriada( 1º ao 5º ano): • Crie momentos que propicie a oralidade; • Ter o cuidado antes da elaboração de qualquer atividade, observar a especificidade da turma, primordialmente o nível de escolarização; • Elaborar atividades que envolvam todos os alunos, pensando e traçando objetivos de acordo com as atividades e também quais os objetivos que o educador espera que os alunos alcancem; • Temos que exercitar a prática de NÃO trabalharmos com as áreas do conhecimento e/ou atividades de forma fragmentadas; e sim com a ¹ interdisciplinaridade; • Quando trabalhar com as mesmas atividades para toda a turma problematize situações com diferentes graus de dificuldades; • Construa e mantenha juntamente com os alunos, ambientes que possibilite acesso às diversas fontes de leitura e bem como usufruí-las. Interdisciplinaridade: A interdisciplinaridade está presente na educação desde que começou a ser aplicada na ciência. Sua função é superar a fragmentação do conhecimento, a falta de uma relação deste com a realidade do aluno e a fragmentação do conhecimento escolar. Objetivos: • Promover o relato dos educandos sobre a origem dos seus nomes; • Identificar a letra inicial de seu nome e estabelecer relações entre esta letra, som, desenhos e palavras que iniciem com a mesma; • Estimular a produção de textos escritos e artísticos, considerando sua coesão, coerência, interlocutora; • Confeccionar painéis e/ou cartazes sobre o tema, de forma direcionada, mas oportunizando a troca de experiências entre os educandos; • Investir em atividades que propiciem a oralidade considerando as condições de enunciação (quem fala de onde fala para quem fala), portanto considerando as diferentes situações de comunicação. • Valorizar sua própria imagem, reconhecendo-se como parte integrante do grupo; • Conhecer e valorizar as diferentes variedades linguísticas; Conteúdos: Escrita e leitura do cabeçalho Escrita e leitura do alfabeto Relação fonema e grafema Memória da infância Leitura e escrita dos gêneros textuais ( conto, depoimento e música) Divisão do texto em frases, palavras, letras e fonemas Pontuação ( ponto final, vírgula e interrogação) Substantivos próprios e comuns Escrita de numerais Tabela de comparações Duração: 4 aulas, 2 horas/aula Desenvolvimento: 1ª Etapa: A inocência da minha infância! Tempo estimado: 25m Converse com os alunos sobre a atividade que será trabalhada, focando o tema a ser desenvolvido. Ler o texto ( Lembrança da minha infância – Coleção Viver, Aprender) como introdução da atividade. Tempo estimado: 25m Pedir para que cada aluno conte um pouco sobre a história que conhece sobre seu nome e sobrenome. Solicite que expressem as suas lembranças de sua infância, onde a educadora neste período deve-se colocar-se como ouvinte, porém observando as falas pontuais. Tempo estimado: 1h 10m Após a explanação, juntamente com o grupo, retome alguns aspectos e/ou passagens de suas falas que julgarem importantes e marcantes e elenque-as em um cartaz; não se esquecendo de colocar o nome do aluno à frente da citação, garantido novamente que todos participem. Feito o cartaz, entregar para cada aluno, cópia do texto que fora lido pelo educador, porém solicitem que todos façam uma leitura individual, aqueles que ainda não dominam a leitura o educador, deverá auxiliar. Após o término da leitura, de acordo com o nível de escolarização de cada um, solicite que individualmente produzam um texto, registrando o entendimento sobre a aula, onde o educador poderá ao longo das produções, ir auxiliando aos alunos a organizarem suas escritas, pensando nos aspectos da coesão, coerência, segmentação, pontuação e acentuação. 2ª Etapa – Se permitam... Tempo estimado: 5 min Retome a aula anterior, apresentado o cartaz que fora construído coletivamente, constando suas lembranças da infância. Tempo estimado: 25 min A partir dai, proponha uma leitura coletiva e compartilhada, do depoimento (Aluna Dona Ana – anexo). Observando e integrando aqueles alunos que ainda não leem convencionalmente, os ajudando quando necessário. Após a leitura, solicite que elaborem um pequeno texto, observando os questionamentos abaixo, sendo que o educador deverá orientar os alunos como buscar as informações solicitadas. - Qual sua opinião o porquê a ―Dona Ana‖ deu este depoimento? - Onde ocorreu toda a história marcante da depoente? - O que há por traz da história? - Qual sua opinião o porquê a ―Dona Ana‖ deu este depoimento? - Questione também se tem alguma diferença entre os textos já trabalhados nesta sequência didática? Tempo estimado: 1h 30 Partindo desta coleta de dados, construa com os alunos uma tabela estabelecendo uma relação com o texto trabalhado e as demandas levantadas. Nome do aluno Idade Estado de nascimento Porque deixou a escola? Porque voltou a estudar? Luzia de Melo 58 anos Bahia Tive que cuidar dos meus irmãos Para ajudar meus filhos Moacir Lourenço 23 anos São Paulo Repetências Por que quero arrumar um trabalho digno. Nesta atividade solicite que comparem: as idades, Estados de nascimento, os aspectos motivacionais quanto à escola, e problematize oralmente se há alguma relação entre os alunos do quadro? 3ª Etapa – Nossas memórias, nossa história! Tempo estimado: 10 min Inicie a aula lendo junto com a turma o poema (Meus oito anos de Casimiro de Abreu). Tempo estimado: 20 min Reúna a turma em grupos, e peça que coletivamente discutam o poema. Solicite que indiquem consensualmente um representante para efetuar os registros a acerca do entendimento do poema. Tempo estimado: 1h e 30 Peça para que leiam a produção, por grupo, aonde o educador irá transcrevê-la na lousa, e com o auxilio dos demais colegas de classe, ajustará o que for necessário, acerca dos conteúdos previamente delineados. Posteriormente peça para que façam as correções em seus cadernos de acordo com a correção coletiva. 4º Etapa – Os números em nossas vidas! Retome aula, resgatando tudo o que fora trabalhado desde a primeira aula. Tempo estimado: 20 min Solicite que pensem e verbalizem o que conhecem sobre os números, e qual a relação destes, com o seu cotidiano. Tempo estimado: 30 min Converse com eles sobre a atividade, que irão realizar, focando os numerais, através da atividade: bingo de números. Atividade desenvolvimento: A educadora irá retirar do ―saquinho‖ um numeral e orientará que os educados escrevam o número sorteado na casa correta. Observando que o foco da atividade é o reconhecimento do que ouve e com o que eles já conhecem. Exemplo: Numeral 38, o aluno escreverá na casa I, por que trinta e cinco inicia com 3. Numeral 72, o aluno escreverá na casa G, por que setenta e dois inicia com 7. Após a rodada, solicite: - Utilize-se dos numerais que aparecem na cartela do bingo, pensando em cálculos mentais, situações problemas, escrita de numerais, sistema monetário etc..., como sugestão. Tempo estimado: 1 h 10 m Ao fim desta atividade, proponha aos alunos a audição de uma música (É Preciso Saber Viver - Roberto Carlos), porém antes da reprodução, entregue aos educandos cópia da letra da música, para que eles possam acompanhar e/ou se familiarizar. Reproduza a música. Ao final, peça para que eles ao explanarem, estabeleçam uma relação entre a 1ª aula e esta 4ª aula, partindo da música. Problematize o entendimento, questione o que não está tão desenvolvido. Link as falas dos alunos, com os conteúdos já trabalhados, para que eles consigam compreender esta relação. Recursos: Aparelho de som/ CD/ Cartelas de bingos, texto xerocopiados( gêneros textuais), diversos tipos de folhas, papeis pardos, lápis de cor, tesoura, cola. Avaliação: Durante todo o trabalho desenvolvido a avaliação será continua e permanente levando em consideração o interesse para o desempenho no desenvolvimento de todas as atividades propostas, e serão feitas intervenções sempre que necessário. Utilizaremos também as atividades produzidas e as participações como instrumento avaliativo. Sempre remetendo em todas as etapas os objetivos traçados, em um processo dinâmico e circular.

sábado, 6 de julho de 2013

POEMA DA PEDRA BRUTA

POEMA DA PEDRA BRUTA POEMA DA PEDRA BRUTA Eu pedra bruta do tempo que me passou esquecido no inventário do momento de viver de eu ter morrido percorro o longo decurso de todo o tempo perdido. Eu profetas de gomorras ruir de torres tombadas sodomas de meus sentidos de extintas almas salgadas artesão de antigos sonhos de mãos rudes algemadas. Eu perdido se me encontro sensível ao que não sente descaminho de um futuro de algum passado presente vou pedra fingindo a carne e sangue fingindo a gente. Eu castelos de crepúsculos naus sombrias sobre vagas eu mortalha dos moluscos de esperanças naufragadas faz-se em mar a minha vida das marés que são choradas. Eu templo de deuses mortos becos tortos sem calçadas vendo o mundo das janelas que o amor deixou fechadas sou um elo entre essas vidas que se atraem separadas. Hoje sou pastor de rios sentinela das colinas mirante das fortalezas nas ameias das neblinas... É por mim que à noite os ventos vêm chorar sobre as ruínas. Afonso Estebanez

Palestra do Sargento Duraes na Escola Municipal Doutor Badaró Junior em Serraria

Palestra do Sargento Duraes na Escola Municipal Doutor Badaró Junior em Serraria no dia 02 de Julho de 2013 e jogos para trabalhar a adição e subtração com os aLunos.Veja as fotos:

textos apartir de frases geradoras com a turma de Glauciete

Visita a Escola Municipal Doutor Badaró Junior em Corrego do Arrozal.Abaixo estão as fotos do palco de leitura (hino nacional e mensagem lida por um aluno)dos jogos e brincadeiras realizado pelas professoras Glauciete e Vera Lucia e as fotos da produção de textos apartir de frases geradoras com a turma de Glauciete, apos a produção fomos para o pátio para a leitura dos textos.Veja as fotos: